ESPECIARIAS – Parte I: história, usos e classificações

Compartilhe!

Sumário

O preparo de refeições deve ser contemplado além do simples uso, porém, essenciais em nossas refeições, pelo uso das diversas especiarias, condimentos ou simplesmente temperos.

De acordo com Carneiro (2003) em sua obra intitulada Comida e sociedade: uma história da alimentação “a  maior revolução na alimentação humana ocorreu no período moderno com a ruptura no isolamento continental, quando o intercâmbio de produtos de diferentes continentes, ocorrido no bojo da expansão colonial europeia, alterou radicalmente a dieta de praticamente todos os povos do mundo. As especiarias asiáticas como pimenta, canela, cravo, noz-moscada, gengibre, difundiram-se para a Europa encontrando suas plantas aromáticas açafrão, tomilho, manjerona, louro, segurelha, anis, coentro e alho, usadas desde a Grécia e Roma e chegaram aos outros continentes”.

As especiarias, consideradas alimentos/drogas e ainda substâncias de consumo gustativo, mas também medicinais e afrodisíacas, e influenciaram decisivamente na história da alimentação, da política e econômica da humanidade.

A avidez pelas especiarias vem desde o Império Romano. O termo pimenta originou-se do latim pigmenta, que tinha significado de pigmento. Mais tarde passou a referir-se ao vinho enriquecido na cor e no aroma com especiarias e, por extensão, a qualquer especiaria.

Entre os espanhóis, usou-se o termo para as plantas americanas do gênero Capsicum, tanto o tipo doce ou pimentão, como o tipo picante, as diversas pimentas. A pimenta-do-reino (Piper nigrum), originada da Índia, tem seu nome na maior parte das línguas européias, à exceção do português e do espanhol.

Como se observa na história da humanidade, as especiarias já serviram de moeda de troca, dotes, heranças, reservas de capital; pagavam impostos, serviços, dívidas e obrigações religiosas. Além disso, facilitavam o comércio de alimentos, pois aumentavam a durabilidade, a resistência a mofos e pragas, bem como suportavam os longos períodos de viagens por mar ou terra.

As especiarias chegaram ao Brasil por meio das rotas das embarcações provenientes da Ásia, onde as colônias favoreciam o plantio das especiarias trazidas pelos europeus e atualmente são utilizados condimentos vindos de todas as partes do mundo, inclusive do próprio país., e tal qual anteriormente são considerados importantes para a saúde devido à presença e dos efeitos de componentes bioativos, antioxidantes, anti-inflamatórios, digestivos  e terapêuticos.

As especiarias podem ser classificadas quanto:

Origem: vegetal, animal, mineral, com aplicação para Aromatizantes,  Flavorizantes,  Corantes,  Adoçantes,  Acidulantes;

Tipo e parte da planta: ervas aromáticas, bulbos, caules,  folhas,  frutos,  vagens,  sementes e resinas;

Sabor: ácido, salgado, amargo, doce e picante;

Tipo de Mistura:  pó, líquido e pasta;

Deixe um comentário

Veja também

Alimentação Coletiva

Gestão Financeira: DRE, Fluxo de Caixa e Balanço Patrimonial

Entenda a importância de se dominar as ferramentas e principais definições para um Gestão Financeira eficiente em Negócios e Serviços de Alimentação. Quando o assunto é gestão financeira, muitos profissionais que atuam com serviços de alimentação sentem aquele pequeno “arrepio” só de terem ouvido o tema. Pois é, neste artigo, vamos ajudar nutricionistas, gastrônomos e

Leia mais »
Alimentação Coletiva

Tipos de Processamento de Alimentos

O Guia Alimentar da População Brasileira tem dentre seus objetivos informar as recomendações nutricionais para se alcançar uma alimentação saudável, equilibrada e palatável. Em sua edição mais atual, 2014, apresenta de forma prática a estrutura dessa alimentação. A base da alimentação deve ser composta por alimentos frescos/in-natura (frutas, legumes) ou de caraterística minimamente processados (cereais

Leia mais »
Alimentação Coletiva

DIAF – 4 Passos básicos para a Estruturação do Projeto de Consultoria

Um Consultor tem a função de dar parecer, fornecer subsídio, sugerir e aconselhar e o bom consultor tem que ter know-how suficiente para analisar, conhecer e entender o mais rapidamente possível o negócio do cliente e suas necessidades. Um bom consultor precisa manter o foco em seus objetivos, caso contrário ele fugirá do seu principal

Leia mais »
Alimentação Coletiva

O Nutricionista na Hoteleria Marítma

A hotelaria marítima tem sido um campo de trabalho em constante crescimento para profissionais de Nutrição/Hotelaria. Trata-se de uma UAN “marítima”, ou seja, localizada em plataformas ou navios, com particularidades bem distintas da UAN on shore, devido ao confinamento ocasionado pela distância das Unidades para o litoral e dificuldade de acesso e por englobar o serviço

Leia mais »