Nutrição e Educação Infantil: Entenda cada Fase

Compartilhe!

Sumário

O período da educação infantil engloba crianças entre 0 a 6 anos de idade, ou seja, a creche e a pré-escola, constituindo um grupo que apresenta elevada vulnerabilidade biológica, sujeita a diversos agravos nutricionais, além de situações de falta de apetite às refeições básicas e/ou alimentos. Isto decorre de vários fatores que podem estar relacionados a uma maior seletividade em relação aos alimentos, fácil acesso a guloseimas, além da incidência de infecções e verminoses que podem diminuir o apetite.

Esta fase é caracterizada pelo amadurecimento da habilidade motora, da linguagem e das habilidades sociais relacionadas à alimentação, sendo este um grupo vulnerável que depende dos pais ou responsáveis para receber alimentação adequada.

A fase pré-escolar envolve comportamentos e atitudes que persistirão no futuro, podendo determinar uma vida saudável, a medida que um conjunto de ações que envolvem o ambiente familiar e escolar 14 forem favoráveis ao estímulo e a garantia de práticas alimentares adequadas.

As creches devem proporcionar condições de garantia para o desenvolvimento do potencial de crescimento adequado e a manutenção da saúde integral das crianças, envolvendo aspectos educacionais, sociais, culturais e psicológicos.

Quais são os critérios para um atendimento em creches que respeite o Direito Fundamental das Crianças a uma Alimentação Sadia?

  • Preparar alimentos com capricho e carinho
  • Oferecer um ambiente tranquilo e agradável para as refeições
  • Planejar alimentos apropriados para as crianças de diferentes idades
  • Permitir que meninos e meninas participem de algumas atividades na cozinha, sempre que possível
  • Procurar respeitar preferências, ritmos e hábitos alimentares individuais das crianças
  • Procurar diversificar a alimentação das crianças, educando-as para uma dieta equilibrada e variada
  • Incentivar as crianças maiorzinhas a se alimentarem sozinhas
  • A água filtrada deve estar sempre acessível às crianças
  • Incentivar a participação das crianças na arrumação das mesas e dos utensílios, antes e após as refeições
  • Cozinha limpa e asseada
  • Despensa limpa, arejada e organizada
  • Valorizar o momento da mamadeira, segurando no colo os bebês e demonstrando carinho para com eles
  • Ajudar os pequenos na transição da mamadeira para a colher e o copo
  • Procurar sempre incluir alimentos frescos nos cardápios
  • Procurar manter uma horta, mesmo pequena, para que as crianças aprendam a plantar e cuidar das verduras
  • As famílias deverão ser informadas sobre a alimentação da criança e suas sugestões bem recebidas

Jovem Saudável, Idoso Feliz

A sabedoria popular que diz: “você é o que come”,  que se evidencia de forma contundente na terceira idade. Estabelecer bons hábitos alimentares na infância, e mantê-los no decorrer dos anos tem um grande impacto na saúde e bem-estar, reduzindo o risco de doenças crônicas.

Deixe um comentário

Veja também

Alimentação Coletiva

Gestão Financeira: DRE, Fluxo de Caixa e Balanço Patrimonial

Entenda a importância de se dominar as ferramentas e principais definições para um Gestão Financeira eficiente em Negócios e Serviços de Alimentação. Quando o assunto é gestão financeira, muitos profissionais que atuam com serviços de alimentação sentem aquele pequeno “arrepio” só de terem ouvido o tema. Pois é, neste artigo, vamos ajudar nutricionistas, gastrônomos e

Leia mais »
Alimentação Coletiva

Tipos de Processamento de Alimentos

O Guia Alimentar da População Brasileira tem dentre seus objetivos informar as recomendações nutricionais para se alcançar uma alimentação saudável, equilibrada e palatável. Em sua edição mais atual, 2014, apresenta de forma prática a estrutura dessa alimentação. A base da alimentação deve ser composta por alimentos frescos/in-natura (frutas, legumes) ou de caraterística minimamente processados (cereais

Leia mais »
Alimentação Coletiva

DIAF – 4 Passos básicos para a Estruturação do Projeto de Consultoria

Um Consultor tem a função de dar parecer, fornecer subsídio, sugerir e aconselhar e o bom consultor tem que ter know-how suficiente para analisar, conhecer e entender o mais rapidamente possível o negócio do cliente e suas necessidades. Um bom consultor precisa manter o foco em seus objetivos, caso contrário ele fugirá do seu principal

Leia mais »
Alimentação Coletiva

O Nutricionista na Hoteleria Marítma

A hotelaria marítima tem sido um campo de trabalho em constante crescimento para profissionais de Nutrição/Hotelaria. Trata-se de uma UAN “marítima”, ou seja, localizada em plataformas ou navios, com particularidades bem distintas da UAN on shore, devido ao confinamento ocasionado pela distância das Unidades para o litoral e dificuldade de acesso e por englobar o serviço

Leia mais »