Tipos de Processamento de Alimentos

Tipos de Processamento de Alimentos
Alimentação Coletiva

19/11/2021

O Guia Alimentar da População Brasileira tem dentre seus objetivos informar as recomendações nutricionais para se alcançar uma alimentação saudável, equilibrada e palatável. Em sua edição mais atual, 2014, apresenta de forma prática a estrutura dessa alimentação.

 

A base da alimentação deve ser composta por alimentos frescos/in-natura (frutas, legumes) ou de caraterística minimamente processados (cereais e frutas secas). O guia recomenda evitar alimentos do tipo ultra processados (sucos em pó e biscoitos por ex.).

Mas, você sabe como classificar e escolher os alimentos no seu dia a dia?

Alimento in-natura:

São aqueles que foram obtidos diretamente de plantas ou de animais e não sofreram alterações na indústria, não possuem aditivos químicos e ou conservantes, por isso possuem reduzido tempo de prateleira. Exemplos: Frutas, Legumes, Verduras, ovos, carnes.

Alimentos minimamente processados:

O processamento mínimo torna os alimentos mais disponíveis e acessíveis, aumentando levemente o tempo de prateleira. O processamento mínimo pode ser caracterizado pela limpeza, remoção de partes não comestíveis ou indesejáveis, fracionamento, moagem, secagem, fermentação, pasteurização, refrigeração, congelamento. Exemplos: Cortes de carne resfriados ou congelados; grãos secos, polidos e empacotados, moídos na forma de farinhas; raízes e tubérculos lavados; nozes e castanhas; frutas secas; chás; café e infusão de ervas.

Alimentos processados: 

Os alimentos processados são produzidos pela indústria com a adição de sal ou açúcar ou outra substância de uso culinário a alimentos in natura para que o tempo de prateleira seja aumentado e que os alimentos se tornam também mais seguros e mais palatáveis. São produtos derivados diretamente de alimentos e são reconhecidos como versões dos alimentos originais. São comumente consumidos como parte ou acompanhamento de preparações culinárias feitas com base em alimentos minimamente processados. Exemplos: Vegetais preservados em salmoura ou em solução de sal e vinagre, extrato ou concentrados de tomate (com sal e ou açúcar), frutas em calda e frutas cristalizadas, carne seca e toucinho; sardinha e atum enlatados; queijos.

Alimentos ultra processados:

Estes são os alimentos com maior teor de alteração de suas características naturais. Suas formulações industriais são feitas inteiramente ou em sua maioria de substâncias extraídas de alimentos (óleos, gorduras, açúcar, amido, proteínas), derivadas de constituintes de alimentos (gorduras hidrogenadas, amido modificado) ou sintetizadas em laboratório (corantes, aromatizantes, realçadores de sabor e vários tipos de aditivos usados para dotar os produtos de propriedades sensoriais atraentes). Exemplos: Suco de pó, salgadinhos de pacote, refrigerantes, balas.

 

Referência

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 156 p. : il.


Posts Relacionados

Carências Nutricionais na Gestante

Carências Nutricionais na Gestante

Você já deve ter percebido em seu consultório como a demanda de cada gestante a

→ Leia mais...
Conheça as 10 Etapas na Elaboração do Cardápio em Serviços de Alimentação

Conheça as 10 Etapas na Elaboração do Cardápio em Serviços de Alimentação

A palavra CARDÁPIO é um termo unicamente brasileiro criado no século XIX por A

→ Leia mais...
Uso de Fitoterápicos na Nutrição Esportiva

Uso de Fitoterápicos na Nutrição Esportiva

Sabe-se que a atividade física provoca aumento da produção de radicais livres

→ Leia mais...
Profa. Dra. Tamiris Rachid, PhD

Profa. Dra. Tamiris Rachid, PhD


Nutricionista formada pela UERJ em 2013. Doutora e mestre em ciências pelo programa de biologia humana experimental (BHEX) pela universidade do estado do Rio de Janeiro (UERJ). Nutricionista formada pela UERJ em 2013. Atuando nas áreas de nutrição experimental com protocolos de obesidade e terapia farmacológica visando o "browning", trabalhou com PPAR-a e PPAR-b e seus efeitos sobre os tecidos adiposos branco e marrom. Atua como nutricionista clínica e atualmente é docente na Universidade Estácio de Sá, ministrando disciplinas do ciclo básico como: anatomia sistêmica, fundamentos de biologia e disciplinas específicas como: bioquímica médica, bioquímica aplicada, microbiologia dos alimentos e composição dos alimentos.

→ Veja o Perfil Completo