Controle Microbiológico na Produção de Alimentos

Controle Microbiológico na Produção de Alimentos

Post do dia: 2018-04-13 09:30:19. Publicado por Equipe Nutmed Categoria: Novidades .

O Controle Microbiológico na Produção de Alimentos: SIMPLES ASSIM!

A contaminação microbiológica está entre os grandes problemas que assombram a produção de alimentos/refeições. A temática é responsável pela criação de diversos documentos legais, ferramentas de controle, pelo desenvolvimento de novos equipamentos de conservação e controle de temperatura, capacitações na área, entre outros.

Mas, o fato é que esse problema, apesar de todas as tentativas de elucidá-lo, ao que parece, ainda está longe do fim.

 

Micro-organismos: os dois lados de uma mesma moeda

Sabe-se que os micro-organismos - também chamados de germes, micróbios ou simplesmente bichos - possuem os dois lados de uma mesma moeda, ou seja, de um lado eles são de extrema relevância para a criação e elaboração de vários alimentos, a exemplo dos vinhos, cervejas, pães, iogurtes, etc., e de outro, potencialmente contaminantes, tóxicos e até mesmo letais.

Esses micro-organismos estão presentes em todas as partes do universo, se diferenciam por suas propriedades morfológicas e fisiológicas (bactérias, fungos, vírus, etc.) e como se não bastasse têm nomes, digamos, no mínimo complicados como: Shewanella, Moraxella, Edwardsiella, Yersínia, Rhyzopus, Botytis. Alguns destes, de tanta repercussão nos soam familiares como a “íntima” Salmonella, o “dérmico” Staphylococcus, o “efervescente” Saccharomyces, o “curador” Penicillium, a deselegante Candida...

Porém independente de conhecermos suas formas de contaminação, período de incubação, sinais e sintomas, além da forma de controle é imperativo que todo esse conhecimento seja aplicado no dia-a-dia da produção de refeições.

 

O que não mata engorda... ou sim? :/

Quem nunca se deparou com situações semelhantes a estas: água do condensador do aparelho de ar condicionado sendo utilizada para dessalgue de alimentos; ave sendo descongelada ao lado de uma preparação cozida ou já higienizada pronta para consumo, ou pior, sendo descongelada sob temperatura ambiente; manipulador abrindo embalagem de leite ou pet de óleo com a boca; a mosca verde de esperança sapateando sobre um alimento/preparação sem proteção; temperatura morninha de alimentos que devem estar quentes (um clássico); o mesmo utensílio sendo utilizado para diferentes preparações; o tomate com seu lindo algodão branco, que apesar de lindo será excluído e utilizado o restante do tomate; aquela saidinha do manipulador do banheiro sem higienizar a mão (outro clássico catastrófico); aquela carne esverdeada lavada com bastante vinagre; o tocar o corpo (coçar cabeça, nariz...) além do sempre presente e auxiliar – o soberano celular.

Poderíamos até “brincar” dizendo aquela velha e célebre frase: “Ah! O que não mata, engorda”. Ou então “o deus fogo mata”. Mas infelizmente, o caso não é, e não está para brincadeira. Os micro-organismos são responsáveis pelas chamadas Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA), e acredite, elas são um problema de saúde pública, principalmente nos países em desenvolvimento.

É necessário adotar as medidas de boas práticas como a simples e eficaz higienização das mãos, manter os alimentos em suas temperaturas ideais, cuidar para que o ambiente esteja sempre limpo, lembrar constantemente o manipulador de que ele deve ter atitudes higiênicas, responsáveis, bem como explicar o porquê (o óbvio tem que ser dito, sempre), inutilizar o alimento que apresenta bolor, pois eliminar apenas a parte que o contêm, não resolve.

Lembre-se os bolores se fixam internamente, e depois se exteriorizam com aquele aspecto cotonoso, então pode-se por assim dizer, que trata-se apenas da ponta do iceberg.

 

Vamos às boas Práticas!

A maioria das bactérias é termo sensível, ou seja, morrem em temperatura acima de 70-80ºC, então certifique-se de que a temperatura e o tempo sejam sempre atingidos durante a sua cocção e ou sua manutenção a quente. Use o termômetro! Elas também não resistem ao uso de substâncias químicas. Use o hipoclorito de sódio na quantidade e no tempo recomendados!

E não nos esqueçamos das viroses. Sim! As viroses alimentares causadas por esses parasitas intracelulares obrigatórios (os vírus), responsáveis pela poliomielite, Hepatite A, gastroenterites, principalmente por Rotavírus e Norwalk.

Não hesite em prevenir adotando as boas práticas de manipulação, utilizando ferramentas como APPCC, ISO 22000, NBR 15635, ou outras medidas de controle microbiológico

Produza com responsabilidade!!

 

 

 


Posts Relacionados

Solicitação de Exames Laboratoriais na Prática Clínica do Nutricionista

Solicitação de Exames Laboratoriais na Prática Clínica do Nutricionista

Solicitação de Exames Laboratoriais na Prática Clínica do Nutricionista

→ Leia mais...
Consultoria e Assessoria em Nutrição nos Serviços de Alimentação: Por que investir nessas áreas?

Consultoria e Assessoria em Nutrição nos Serviços de Alimentação: Por que investir nessas áreas?

O crescente consumo de refeições realizadas fora do ambiente domiciliar atrelada &agr

→ Leia mais...
Obesidade na Síndrome de Down e a Importância do Papel do Nutricionista

Obesidade na Síndrome de Down e a Importância do Papel do Nutricionista

Uma alimentação saudável é primordial para saúde de qualquer pes

→ Leia mais...
Equipe Nutmed

Equipe Nutmed

A Nutmed foi fundada em 2005, a partir da crescente demanda do mercado por Nutricionistas atualizados e competentes. Acreditando fortemente que ambas as qualidades são atingidas apenas com muito estudo e dedicação, temos como objetivo oferecer aos nossos alunos Cursos de Atualização nas diversas áreas da Nutrição e também Curso Preparatório para Concursos de Nutrição, pois temos muito orgulho em fazer parte do seu sucesso!

→ Veja o Perfil Completo