Ácido graxo ômega-3 e Caquexia do Câncer

Ácido graxo ômega-3 e Caquexia do Câncer

Post do dia: 2018-03-01 16:05:02. Publicado por Equipe Nutmed Categoria: Nutrição Clínica .

O ácido alfa-linolênico ou ômega-3 é um tipo de ácido graxo essencial, poli-insaturado, que origina o ácido eicosapentanóico (EPA) e o ácido docosaexaenoico (DHA). As principais fontes do ômega-3 são óleos de peixes e peixes de água fria e profunda, como salmão, cavala, arenque, sardinha, truta e atum.

Os eicosanoides são metabólitos dos ácidos graxos e são essenciais na modulação da resposta inflamatória do organismo. Existem os eicosanoides da série par, que são considerados pró-inflamatórios e os da série ímpar, que são considerados anti-inflamatórios, além de ter ação proliferativa menor, portanto menos favorável ao desenvolvimento e crescimento de células cancerosas.

O EPA é precursor de eicosasanóides da série ímpar, ou seja, com menor poder inflamatório. Já o DHA inibe a síntese e dificulta a ação dos eicosanoides da série par, aqueles com maior poder inflamatório. Por esse motivo são considerados moduladores da resposta inflamatória exacerbada.

 

Ômega 3 e Efeitos Colaterais

Efeitos colaterais relacionados à suplementação de ômega-3 em doses elevadas podem ser encontrados, entre eles aumento dos níveis de LDL-colesterol e piora do perfil glicêmico em diabéticos. Por esse motivo, para evitar riscos de sangramentos espontâneos a dose de EPA e DHA combinados não deve passar de 5g ao dia, e o EPA sozinho não deve passar de 1,8g por dia.

Considerando o impacto da inflamação na progressão do câncer, que também pode promover utilização inadequada de substratos energéticos, uma dieta rica em ômega-3 pode ser benéfica para os pacientes com câncer.

Estudos demonstraram que o EPA estabiliza o peso modulando algumas alterações metabólicas, como a redução da resposta inflamatória, pela diminuição da produção de citocinas pró-inflamatórias e redução da atividade do fator indutor de proteólise (PIF), e por isso são benéficos na prevenção e tratamento da caquexia do câncer.

Como a perda de peso induzida por câncer é resultado da ingestão inadequada de calorias, Gasto Energético de Repouso (GER) aumentado e alteração de mediadores metabólicos, o tratamento pode ser bem sucedido quando essas alterações são atenuadas, por isso a inclusão de um substrato metabolicamente ativo como o ômega-3 na dieta. O ômega-3 combate as alterações metabólicas relacionadas à perda de peso e massa magra induzida pelo tumor, seu uso em pacientes com câncer reduz a resposta inflamatória, atuando dessa forma na melhora do apetite e redução da degradação de massa muscular. Além disso, bloqueia a ação das substâncias produzidas pelo tumor e auxilia na resposta ao tratamento antineoplásico.

Os tumores produzem e liberam o PIF na circulação, que interage com a musculatura esquelética e induz a perda de massa corporal magra por mecanismos que envolvem a redução da síntese de proteínas e o aumento da degradação proteica. A ligação do PIF nos receptores na superfície das células da musculatura esquelética resulta na liberação do ácido araquidônico (AA) dos fosfolipídios das membranas, e este é metabolizado em prostaglandinas E2 (PGE2) e outros eicosanoides, que tem maior poder inflamatório. Com a ingestão de EPA, o conteúdo de AA da membrana celular é parcialmente substituído pelo EPA, reduzindo assim o potencial para a liberação dos mediadores eicosanoides de degradação de proteína.

 

Conclusões

A suplementação com ácidos graxos ômega-3 é uma das terapias que têm sido propostas na tentativa de reverter o catabolismo observado em uma grande porcentagem de pacientes com câncer e caquexia, por meio da atenuação da resposta inflamatória. Essa suplementação ajuda a reduzir a formação de citocinas pró-inflamatórias, favorecendo a tolerância metabólica dos substratos energéticos e atenuando o catabolismo proteico, com o intuído de melhorar o prognóstico de pacientes com câncer. De acordo com sociedades internacionais (ASPEN e ESPEN), devido ao efeito anti-inflamatório do ômega-3, a suplementação diária com 2g de EPA pode ajudar a estabilizar a perda de peso não intencional em pacientes com câncer.


Posts Relacionados

Solicitação de Exames Laboratoriais na Prática Clínica do Nutricionista

Solicitação de Exames Laboratoriais na Prática Clínica do Nutricionista

Solicitação de Exames Laboratoriais na Prática Clínica do Nutricionista

→ Leia mais...
Consultoria e Assessoria em Nutrição nos Serviços de Alimentação: Por que investir nessas áreas?

Consultoria e Assessoria em Nutrição nos Serviços de Alimentação: Por que investir nessas áreas?

O crescente consumo de refeições realizadas fora do ambiente domiciliar atrelada &agr

→ Leia mais...
Obesidade na Síndrome de Down e a Importância do Papel do Nutricionista

Obesidade na Síndrome de Down e a Importância do Papel do Nutricionista

Uma alimentação saudável é primordial para saúde de qualquer pes

→ Leia mais...
Equipe Nutmed

Equipe Nutmed

A Nutmed foi fundada em 2005, a partir da crescente demanda do mercado por Nutricionistas atualizados e competentes. Acreditando fortemente que ambas as qualidades são atingidas apenas com muito estudo e dedicação, temos como objetivo oferecer aos nossos alunos Cursos de Atualização nas diversas áreas da Nutrição e também Curso Preparatório para Concursos de Nutrição, pois temos muito orgulho em fazer parte do seu sucesso!

→ Veja o Perfil Completo