Entenda sobre os efeitos do uso contínuo de inibidores da bomba de prótons

Compartilhe!

Sumário

Hoje, os inibidores da bomba de prótons (IBPs) são uma das classes de medicamentos mais utilizadas no mundo, incluindo o omeprazol, esomeprazol, lansoprazol, pantoprazol, rabeprazol e dexlansoprazol. Os IBPs atuam na supressão da secreção de ácido gástrico por meio de inibição específica da enzima H + /K+ -ATPase na superfície secretora da célula parietal gástrica, sendo capazes de reduzir em até 95% a produção de ácido clorídrico no estômago.

Os IBPs são considerados seguros e indicados para o tratamento de várias doenças relacionadas à secreção ácida gástrica, como:  refluxo gastroesofágico, úlceras gástricas e duodenais, infecção por Helicobacter pylori e na prevenção e tratamento de danos causados pelo uso de anti-inflamatórios não-esteroidais.

Entretanto, tais medicamentos são amplamente utilizados de forma inadequada e crônica, principalmente pela ausência de controle na venda, sendo por vezes realizada sem receituário, favorecendo o uso indiscriminado entre os pacientes através da automedicação, sendo um grande problema hoje no Brasil.

Em virtude disso, o uso inadequado traz preocupação, pois os IBPs fazem ligações irreversíveis com a enzima H + /K+ -ATPase, promovendo o bloqueio da liberação de ácido até síntese de novas enzimas, ocasionado assim, a hipocloridria gástrica, que se mantida por período prolongado pode resultar em diversas consequências clínicas, sendo elas:

Disbiose


Estudos recentes relatam que os IBPs são capazes de alterar a microbiota do indivíduo em todos os segmentos do trato gastrointestinal (esôfago, estômago, intestino delgado e cólon) e podem contribuir para o desenvolvimento da disbiose. Além disso, a hipocloridria gástrica causada pelos IBPs favorece não apenas a sobrevivência, mas a migração de bactérias do trato gastrointestinal superior para áreas inferiores, levando à proliferação de bactérias patogênicas, que podem contribuir para o surgimento de distúrbios gastrointestinais.

Aumento do risco de infecção


As evidências atuais indicam que o uso crônico de IBPs pode favorecer o aumento do risco de infecção, principalmente em idosos, devido ao ambiente de baixa acidez gástrica, que contribui para a proliferação bacteriana. O aumento do pH gástrico acima de quatro aumenta a susceptibilidade de entrada de patógenos, por permitir que pelo menos 50% das bactérias ingeridas ultrapassem a barreira ácida, uma vez que trata-se da primeira linha de defesa do corpo contra patógenos ingeridos.

Má absorção de Micronutrientes


O uso prolongado de IBPs pode favorecer a má absorção de micronutrientes importantes, visto que o ácido gástrico é fundamental para o processo absortivo em casos, como:

  • Cálcio 

Sabe-se que a absorção do cálcio da dieta necessita de um ambiente ácido no trato gastrointestinal para sua solubilidade. Por isso, quando a produção de ácido estomacal é suprimida e o pH gástrico se eleva, ocorre a inibição da absorção do micronutriente. Além disso, a capacidade dos IBPs de inibir a bomba de prótons da mucosa gástrica também afeta o tecido ósseo, uma vez que a bomba de prótons dos osteoclastos, células responsáveis pelo remodelamento ósseo, também é inibida, interferindo diretamente no seu metabolismo, aumentando assim, os riscos de fraturas. Estudos apontam que quanto mais longo o tempo de consumo do medicamento, maior a probabilidade de fraturas e osteoporose, principalmente em idosos.

  • Ferro

O uso de IBPs pode prejudicar a absorção de ferro e contribuir com o desenvolvimento de anemia ferropriva. Isso porque a absorção do ferro da dieta também necessita da acidez gástrica, pois a maioria está na forma de ferro não-heme ou férrico (Fe3+) que deve ser reduzida para sua forma ferrosa (Fe2+), de melhor solubilidade. Assim, recomenda-se o monitoramento em pacientes com uso prolongado de IBPs.

  • Vitamina B12

Os IBPs também apresentam efeito no status da vitamina B12, já que o ácido gástrico possui a função de converter o pepsinogênio em pepsina no estômago. A enzima pepsina permite a liberação da vitamina B12 a partir de proteínas alimentares, para se ligar ao ligante R salivar, que preferencialmente se liga a vitamina B12 no meio ácido, para posteriormente no intestino delgado, o ligante R ser hidrolisado pelas enzimas pancreáticas, e a vitamina B12 ser liberada e ligada ao fator intrínseco para então ser absorvida. Por isso, a falta de ácido gástrico causa a redução da capacidade digestiva de liberar vitamina B12 dos alimentos e, como consequência, reduz a quantidade de vitamina B12 absorvida na mucosa intestinal.

Quer aprender sobre o manejo dos principais transtornos do trato digestório? Então faça sua inscrição HOJE no Simpósio Online! Vagas limitadas!

Simpósio Online de Fitoterapia e Ortomolecular nas Principais Situações de Consultório 2020

Link de inscrição: https://nutmed.com.br/site/curso/simposio-online-de-fitoterapia-e-ortomolecular-nas-principais-situacoes-de-consultorio-2020

Curso de Pós-graduação Presencial em Nutrição Clínica Ortomolecular, Fitoterápica e Biofuncional 2020

Link de inscrição: https://nutmed.com.br/site/curso/pos-graduacao-presencial-em-nutricao-clinica-ortomolecular-biofuncional-e-fitoterapia-2020-turma-semana

Não perca a oportunidade de alavancar a sua carreira e aprender com os melhores! Venha ser aluno Nutmed!

Bibliografia Consultada:

BRUNO, Giovanni et al. Proton pump inhibitors and dysbiosis: Current knowledge and aspects to be clarified. World Journal of Gastroenterology, v. 25, n. 22, p. 2706, 2019.

MILLER, Joshua W. Proton pump inhibitors, H2-receptor antagonists, metformin, and vitamin B-12 deficiency: clinical implications. Advances in Nutrition, v. 9, n. 4, p. 511S-518S, 2018.

YU, Li-Yuan et al. A review of the novel application and potential adverse effects of proton pump inhibitors. Advances in therapy, v. 34, n. 5, p. 1070-1086, 2017.

Nutricionista Clara Machado

Deixe um comentário

Veja também

Nutrição Clínica

Perguntas e Respostas para Indicação Segura de Fitoterápicos na Pediatria

O uso de plantas medicinais nas suas diferentes formas farmacêuticas, visa à utilização da planta no seu todo e não apenas, de princípios ativos isolados. As plantas medicinais constituem uma alternativa segura e eficaz para o tratamento de distintas afeções, sendo cada vez maior o número de pessoas que recorrem ao seu uso como complemento

Leia mais »
Nutrição Clínica

Mindful Eating – O que é?

Quantas vezes nos pegamos “engolindo” a comida num dia de pressa? Comendo em pé ou andando só para calar o ronco do estômago? Quantas vezes, almoçamos na companhia do celular ou do whatsapp ou resolvendo questões de trabalho à frente do computador sem prestar a mínima atenção no próprio prato? Quantas vezes devoramos um saco

Leia mais »
Nutrição Clínica

Gastronomia – A Importância e as Vantagens para o Nutricionista

Atualmente é imprescindível que o profissional nutricionista esteja se atualizando e se reinventando para atender às demandas que surgem ao longo dos anos. Hoje sabemos que, com o incentivo ao consumo de comida de verdade, os pacientes estão cada dia mais receptivos a aprender a preparar a sua própria comida de maneira saudável, mas sem

Leia mais »
Nutrição Clínica

Educação Alimentar e Nutricional em Pediatria

Segundo o Ministério da Saúde, a Educação Alimentar e Nutricional (EAN) se configura como um campo de conhecimento e prática contínua e permanente, intersetorial e multiprofissional, que utiliza diferentes abordagens educacionais. São ações que envolvem indivíduos ao longo de todo o curso da vida, grupos populacionais e comunidades, considerando as interações e significados que compõem

Leia mais »